A PARTIR DE AGORA – As jornadas de junho no Brasil

Eu sou um dos participantes do filme de Carlos Pronzato, junto com diversas pessoas que vivenciaram nas ruas e nos debates livres as grandes manifestações de junho passado de 2013, em diferentes cidades do país. O conjunto das falas forma um panorama crítico diversificado, porém essencialmente sintonizado com os anseios mais fortes que predominaram e predominam nas manifestações no Brasil: vontade e luta por uma radicalização do sistema democrático que proporcione o protagonismo popular nas lutas e decisões Políticas.

Quanto à minha participação, em dado momento digo que “enfrentamos uma crise de representatividade”. Mas passei a refletir: enfrentamos, no âmbito político institucional, uma crise de representatividade ou de credibilidade? – talvez seja mais adequado falar em crise de credibilidade da política partidária junto à sociedade.

Atualmente, não há apenas motivos político-partidários, mas também razões vitais globais para se falar em transformação social ou em mutações da política. O que nos angustia é a desproporção abissal entre as competências da política e as exigências do real, afinal, todos sentem que o perigo cresce (social, ambiental, político)…

Não acho que o nosso momento político permita precipitações nem tagarelices, mas não deslegitimo os gritos de negação: “Não vai ter aumento” ou “Não vai ter Copa”. Num mundo mobilizado para o desastre, acredito mais em parar as cidades, desmobilizar as estruturas. Desmobilizar tudo o que está mobilizado.

Sobre o documentário:

“Realizado a partir de entrevistas com ativistas de cinco capitais brasileiras, o material não é apenas uma ferramenta para o debate e a compreensão das Jornadas de Junho, mas também um instrumento de organização da luta política, característica marcante da militância audiovisual de Carlos Pronzato, que também dirigiu, entre outros, “O Panelaço – a rebelião argentina” (2002) e “Carlos Marighella – Quem samba fica, quem não samba vai embora” (2011).”

Direção, roteiro e concepção: Carlos Pronzato
Direção de produção: Cristiane Paolinelli
Edição: Ricardo Gomes (Coletivo Das Lutas RJ)
Edição teasers e pesquisas de imagens adicionais: Richardson Pontone
Trilha: Apanhador Só
Realização: Lamestiza Audiovisual

Brasil, fevereiro de 2014.

Anúncios