nota: cultura eleitoral

Captura de Tela 2014-09-08 às 02.21.04Aninha Franco, conhecida dramaturga em Salvador, escreveu um texto reacionário em defesa de ACM, o primeiro, como patrono da “cultura” na Bahia. Na prática, a autora professa a nostalgia de um tempo em que um punhado de comerciantes e industriais podia se dizer possibilitador ou dono da “cultura e da arte”, institucionalizadas como mercado e turismo. Ao carlismo, enquanto controlador do Estado, cabia o controle da cultura, realizando transações de mercado e de publicidade em vez de políticas públicas, favorecimentos em vez de democratização, reafirmação das práticas do clientelismo e do autoritarismo em vez de estímulo à arte independente. O carlismo, em seus efeitos, suprimia o artista para melhor controlar a “arte”, favorecendo, claro, os artistas que o auxiliavam nessa “tarefa”.

Entretanto, um texto como esse de Aninha Franco não teria sequer sido possível se, em oito anos de governo do PT, a cultura e a arte fossem consideradas como algo importante na esfera das políticas públicas no Estado (mesmo tendo em conta os intermitentes editais, importantes, mas também frágeis ações de governo que não se consolidaram). O mais trágico, além do espaço que se abre para textos reacionários de campanhas de última hora, é que as reações mais animadas contra eles só ocorrem em vésperas de eleições, e se valem sempre do nome de alguém ou de algum partido, sempre expressando alguma urgência eleitoral cujas justificativas sequer aparecem claramente. Não participa da discussão, necessariamente, a necessidade de fortalecimento e  ampliação de políticas públicas mais consequentes em torno da arte.

Nesse sentido, o texto de Aninha Franco, embora interessado e reacionário, é um sintoma verdadeiro – e talvez necessário – do atual cenário político e cultural na Bahia. É quando a disputa eleitoral sequestra a arte, desfigurando-a, explorando-a, extorquindo-a, corrompendo-a e violentando-a.

Penso que – e isso devia valer para Aninha Franco, mas também para os seus críticos –  um artista decidido a desempenhar seu papel, diante das precariedades tão bem conhecidas do país e especialmente da Bahia, deveria pôr em alerta o senso crítico, em vez de buscar apenas facilitar a própria vida, tendo sempre o cuidado de não cruzarmos a incerta fronteira que separa a “moral” do moralismo.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s