Documentário Hera no Festival InVerso

Festival de Arte e Cultura em Feira de Santana exibirá o doc “hera” (2012)

Captura de tela 2013-10-17 às 23.19.57No próximo 23 de outubro em Feira de Santana/Ba, o Festival InVerso de Arte e Cultura, promovido pela DiaboA4 Editora e pelo Feira Coletivo Cultural, vai exibir o documentário Hera, realização independente do Bahiadoc – Arte Documento, dirigida por Fabricio Ramos e Camele Queiroz, que traz conversas com poetas baianos fundadores da revista literária Hera, que marcou a cena cultural na Bahia. Mais sobre o doc: http://www.hera.bahiadoc.com.br/

TRAILER DO DOC

[vimeo https://vimeo.com/39518201 w=570&h=320]

SOBRE O FESTIVAL

Em sua primeira edição, o Festival InVerso traz como tema central a reflexão sobre a vida urbana a partir de um olhar sobre Feira de Santana, promovendo uma série de atividades artísticas que acontecerão ao longo de 3 dias (23,24 e 25 de outubro de 2013) no Museu de Arte Contemporânea (MAC). Além da exibição do documentário “hera”, a programação traz oficinas artísticas, exposição com os cartazes dos eventos realizados pelo Feira Coletivo Cultural nos seus 5 anos de atuação na cidade, apresentações de dança com a Trupe Mandhala, shows com bandas locais, bem como a abertura da exposição fotográfica e o lançamento da antologia de poemas Cidade, fotógrafos e poetas da região de Feira de Santana com trabalhos inéditos sobre suas experiências na urbe.

Evento no Facebook e programação completa: https://www.facebook.com/events/372923662839348/?ref=22

hera: arte, política e poesia

“O capitalismo, antes de ser um problema econômico, é um problema psicológico.” – no breve trecho do documentário “hera” (2012), postado abaixo, Antonio Brasileiro, poeta fundador do grupo Hera, de Feira de Santana, manifesta visões de mundo sobre atuais contextos Políticos, que certamente influenciam o seu processo criativo, de caráter universalista. Antonio Brasileiro tem 24 livros publicados (O doc “hera” pode ser visto na íntegra em http://hera.bahiadoc.com.br/).


A assertiva de Brasileiro merece atenção, mesmo não sendo nova. Do ponto de vista amplamente social, sabemos que as nossas democracias de mercado não resolveram os problemas mais simples como a fome, a miséria, a degradação ambiental e a paz. Ao contrário, tais problemas se intensificam, inquestionavelmente.

Do ponto de vista individual (considerando a psique), a vida cujos valores e metas são propostos e regulados por ideias e tendências publicitariamente (e ideologicamente) fabricadas, consome grande quantidade de energia das pessoas, que comumente vivem uma vida com objetivos mesquinhos, garantindo satisfações frágeis e regulares. Isto, aliado à ideologia da valorização ética do trabalho, como disse Nietzsche – constitui “a melhor das polícias, pois subjuga cada um e se esmera em travar poderosamente o desenvolvimento da razão, dos desejos, do gosto pela independência” (trecho extraído da obra Aurora, 1881).

Realizar um documentário como o “hera” tem dessas: o escopo maior de registrar nossos encontros com poetas baianos por conta de suas ricas contribuições à arte e à literatura na Bahia, não privou o resultado de reflexões que transcendem o âmbito meramente estético e alcançam, sem nunca abandonar a estética, a dimensão política inerente a todo ser criativo. A arte, afinal, não deve estar a serviço de nada, mas deve – para sua força e expressão máxima – subjugar em si mesma, de diferentes formas, todas as dimensões humanas.

Quando pensamos em Política nos dias de hoje, infelizmente, subtraímos quase sempre toda a reflexão, a meditação, o sonho e mesmo as preocupações universalistas (que dão lugar a orientações individuais, localistas ou partidárias). Tudo isso compõem precisamente os principais efeitos da arte: Arte e Política, se quisermos, podem andar mais próximas do que pensam todos os puristas.

Por isso somos gratos aos poetas por terem topado construir conosco essa experiência documental: Antonio Brasileiro, Juraci Dórea, Washington Queiroz, Wilson Pereira de Jesus, Roberval Pereyr e Uaçaí Lopes. Além da reflexão política, claro, o filme traz poesia, amizades e conflitos, lembranças e provocações.

O doc “hera” é uma realização independente do Bahiadoc – arte documento, e está disponível online na íntegra. No sítio também há mais informações sobre o filme: http://hera.bahiadoc.com.br/.

insustentável leveza na rua

Na falta de espaços, criar as “ruas” no tempo, ocupando imaginários poéticos. A cidade dos carros ignora e mata o que é leve e frágil, como um balão amarelo que resiste enlevado nos ventos.

“insustentável leveza na rua”, criação, montagem e edição de Camele Queiroz. Câmera de Fabrício Ramos.

PAIDEIA – Arte movimento: http://paideiafilmes.wordpress.com

documentário “hera” traz uma aproximação com poetas baianos

 teaser do doc

O documentário hera (2012) compõe um exercício de aproximação com poetas fundadores da revista Hera, publicação criada no início da década de 1970 que engendrou uma importante movimentação literário-cultural em Feira de Santana, com destacada reverberação na Bahia e significativa repercussão nacional.

Com a participação dos poetas, escritores e artistas visuais baianos Antônio Brasileiro, Washington Queiroz, Roberval Pereyr, Juraci Dórea, Wilson Pereira de Jesus e Uaçaí Lopes, o documentário propõe uma imersão na atmosfera poética de cada momento, valorizando os próprios poetas como sujeitos do documentário. Os poetas refletem sobre suas relações e amizades, comentam sobre suas motivações poéticas, sobre contextos contemporâneos e manifestam as suas visões de mundo, desde o local até o universal, oferecendo-se como sujeitos de um estmulante e provocativo registro.

A produção contou com o apoio da DIMAS – Diretoria de Audiovisual e Multimeios da Fundação Cultural do Estado da Bahia (Funceb), que através do Núcleo de apoio à produção, o NAP, disponibilizou equipamento e a participação de dois técnicos cinegrafistas. O documentário tem duração de 1 hora e 23 minutos, e foi realizado sem aporte de patrocínios.Trata-se, portanto, de uma iniciativa independente do Bahiadoc – arte documento, com fins de contribuir para pôr em discussão um importante capítulo da nossa memória cultural.

O documentário pode ser ecessado na íntegra no espaço virtual dedicado a todas as infirmações relacionadas. Acesse: http://hera.bahiadoc.com.br

FICHA TÉCNICA:

direção l  fabricio ramos e camele lyra queiroz produção l  fabricio ramos e camele lyra queiroz câmera l  ivanildo santos silva e danilo umbelino assistente de câmera l  danilo umbelino edição, montagem e finalização l  fabricio ramos e camele lyra queiroz

cor  l  1h23min  l  2012  l  HD