Sete bilhões de Outros

Afinal, qual o sentido da vida? é uma questão universal: os sonhos, a tarefa impossível, os medos, o amor, a morte.

O projeto de vídeo-exposição “Sete bilhões de Outros” [ http://www.7billionothers.org/pt ], iniciado em 2003 por Yann Arthus-Bertrand, Sibylle d’Orgeval e Baptiste Rouget-Luchaire (dez anos depois do fotógrafo e ambientalista francês Yann Arthus-Bertrand apresentar ao mundo o seu documentário A terra vista do céu), apresenta um diversificado e representativo panorama da misteriosa e fascinante contingência da vida humana no mundo. Seis diretores filmaram mais de seis mil entrevistas em 84 países, inclusive no Brasil, buscando a maior diversidade possível de personalidades: diferentes meios sociais, faixas etárias, profissões, opções religiosas e diferenças étnicas.

Todos os entrevistados respondem às mesmas perguntas sobre “seus medos, sonhos, problemas, esperanças”: O que o amor representa para você? Que dificuldades enfrentou na vida? O que você aprendeu de seus pais e o que quer passar para os seus filhos?. Olham diretamente para a câmera, dirigindo-se ao espectador, propondo um exercício de aproximação, uma atmosfera de intimidade, uma certa cumplicidade que nos atrai – naquela relação mediada – para tudo em nós que é comum, universal, identitário com o outro – com todos os outros.

O resultado do projeto nos faz refletir: misturado a aparente diversidade das coisas e das cores, há em nós, sem dúvida, muito mais coisas que nos aproximam e nos unem do que coisas que nos separam. As nossas profundas semelhanças são muito mais essenciais do que as diferenças superficiais que tanto nos confundem.